"A imortalidade do amor"

01/05/2013 17:53

 

 

Eu me recuso a crer no tão falado ocaso do verdadeiro amor

Como ignoro o suposto adeus do sol que em fim de tarde se recolhe

Porque a doença pode permanecer mesmo após o alívio da dor

Porque a árvore ainda dará frutos depois que os outros alguém colhe!

 

O amor é bem maior que as levianas decisões

Seu fundamento resiste a abalos e tormentas

Ele jamais residiria nos sujos edifícios das traições

Tampouco a si mesmo mataria, por meio de suas próprias ferramentas!

 

Eu fui menino, mas agora aqui me vejo homem plenamente crescido

Aprendi que reinos implodiram, que tudo que nasce um dia vai morrer

Mas, tal qual a flor, que brota imponente em pleno solo ressequido

Ainda que faleçam relações, o verdadeiro amor irá sobreviver!

 

Pois é celestial mistério que a poucos iluminados se revela

Culimante sendo o que não era, na onda das paixões se manifestou

Que me perdoe quem tanto explica o fracasso de uma entrega

Mas quem afirma ter deixado de amar, seguramente não amou!

 
 
 
 
 
 

 

CLIQUE AQUI

Para ler esse Poema no Recanto das Letras

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!