Como identificar e lidar com os impostores do Ministério?

01/11/2013 01:55

 

 

Pastores qualificados e dedicados merecem o respeito e apoio das ovelhas por eles guiadas. Paulo disse: “Devem ser considerados merecedores de dobrados honorários os presbíteros que presidem bem, com especialidade os que se afadigam na palavra e no ensino” (I Timóteo 5:17). O autor de Hebreus nos ensina: “Obedecei aos vossos guias e sede submissos para com eles; pois velam por vossa alma, como quem deve prestar contas, para que façam isto com alegria e não gemendo; porque isto não aproveita a vós outros” (Hebreus 13:17). Homens fiéis que amam a Deus e aceitam a responsabilidade de ajudar seus irmãos chegarem ao céu devem ser tratados com respeito e apreço.

 

Infelizmente, todavia, alguns “pastores” não são dignos dessa honra. Alguns que se dizem conhecedores da Palavra de Deus não são fiéis no seu ensinamento. Vamos considerar a mensagem de Jeremias 23 e algumas de suas aplicações.

 

Jeremias profetizou nas últimas quatro décadas antes da queda de Judá à Babilônia. Ele chamou o povo, e especialmente os líderes dos judeus, ao arrependimento. Jeremias bem entendeu que o principal problema não foi uma questão de diplomacia ou poder militar. Este servo de Deus viu a corrupção do povo, de cima para baixo, como motivo do castigo divino iminente. No capítulo 23, ele apresenta uma mensagem de Deus que mostra a diferença entre o Pastor verdadeiro e fiel e os maus pastores que maltrataram as ovelhas do Senhor.

 

Ai dos pastores infiéis (Jeremias 23:1-4)

 

Deus falou aos líderes em Judá, dizendo que eram culpados de negligenciar e maltratar o Seu rebanho. Preste atenção nos verbos usados para descrever a conduta destes pastores: destruirdispersar, afugentar não cuidar. Pastores devem juntar, alimentar, cuidar, guiar e proteger, mas os pastores de Israel faziam tudo ao contrário!

 

Outra coisa marcante neste parágrafo é a maneira como Deus fala do Seu rebanho. Ele o descreve como “o meu povo”“as ovelhas do meu pasto” “as minhas ovelhas”. A linguagem utilizada mostra o problema raiz do comportamento errado dos líderes. Eles não amavam o povo como Deus o amava! Para eles, ser pastor era uma posição de destaque, honra e privilégio. Para Deus, ser pastor era (e continua sendo) uma posição de responsabilidade, sacrifício e amor.

 

Hoje, ainda há muitos que olham para o cargo de pastor como uma posição de honra a ser cobiçada. Outros chegaram a níveis de vaidade tão absurdos que consideram o status pastoral uma baixa patente e se auto intitulam apóstolos.  Buscam o destaque e desejam a honra diante dos homens. Ao invés de agirem humildemente como pastores no rebanho local (I Pedro 5:1-3), apresentam-se em todo lugar com o “título” que ostentam para a sua glória pessoal. Em outras palavras, “Amam o primeiro lugar nos banquetes e as primeiras cadeiras nas sinagogas, as saudações nas praças e o serem chamados mestres pelos homens” (Mateus 23:6-7). Tais pastores não estão moralmente qualificados, pois não cuidam do rebanho como devem.

 

O Renovo de Davi (Jeremias 23:5-8)

 

Em contraste total com os pastores infiéis, Deus apresenta o Renovo de Davi, conhecido posteriormente como o Bom Pastor (João 10:11). As qualidades do Messias, destacadas neste trecho, identificam um pastor totalmente diferente daqueles corruptos em Judá. Este descendente de Davi é um Rei justo e sábio, que executa a justiça (versículo 5). Enquanto os nomes dos infiéis cairiam em podridão (Provérbios 10:7), o nome deste Pastor é o mais exaltado de todos: “...será este o seu nome, com que será chamado: Senhor, Justiça Nossa” (versículo 6). O Bom Pastor seria a manifestação perfeita da justiça de Deus, e é identificado claramente no Novo Testamento como Deus (YHWH, Yahweh, Jeová ou Javé – Hebreus 1:10-12, uma citação do louvor dirigido a Deus em Salmo 102; compare João 1:1; 8:24,58; etc.).

 

O Bom Pastor e Seus servos fiéis (versículos 3 e 4) alimentam e cuidam do rebanho, dando-lhe uma habitação segura. Este Pastor não é ladrão, salteador ou mercenário (João 10:8,10,13). Ele é o Filho sobre a casa, que dá esperança aos seus servos perseverantes (Hebreus 3:6).

 

Os líderes contaminados (Jeremias 23:9-15)

 

Jeremias sentiu o efeito da Palavra do Santo Senhor e ficou doente por causa da maldade do povo (versículos 9-10). Ele viu o povo sofrendo o castigo merecido por ser adúltero e rebelde. Mas esta maldade não era apenas das multidões irreligiosas que não se importavam com as coisas de Deus. Os líderes espirituais praticavam e incentivavam a iniquidade! “Pois estão contaminados, tanto o profeta como o sacerdote; até na minha casa achei a sua maldade, diz o Senhor” (versículo 11). Aqueles que tinham o dever de mostrar o caminho da luz iam tropeçar e cair no escuro (versículos 12,15). Os falsos profetas de Judá eram piores do que os de Samaria (versículos 13-14), e Deus já havia destruído Samaria! Estes líderes adotavam e até incentivavam práticas erradas.

 

Hoje, muitas pessoas que se dizem pastores, apóstolos e profetas fazem a mesma coisa. Pregando um evangelho, híbrido, adaptado, diluído e atualizado para atrair pessoas carnais, estes continuam adulterando a Palavra de Deus para manter a lealdade delas. A palavra de Deus não deve ser alterada e atualizada pelo homem, porque já é perfeita e eterna. Cabe-nos aceitá-la como servos humildes do Senhor na sua integralidade.

 

Não ouça! (Jeremias 23:16-22)

 

Frequentemente, pessoas me dizem que tem o costume de assistir a diversos programas religiosos, porque “todos falam da Palavra de Deus”. Outros andam visitando várias igrejas, mesmo sabendo que ensinam e praticam doutrinas erradas, porque “se sentem bem”. Ainda outros dão pouca importância ao estudo cuidadoso e constante da Palavra de Deus, preferindo ler e ouvir as ideias e os ensinamentos de seus líderes. Mas é isso o que Deus quer?

 

No ambiente da confusão religiosa de Judá, o Senhor não falou para as pessoas ouvirem a todos. Ele disse: “Não deis ouvidos às palavras dos profetas que entre vós profetizam e vos enchem de vãs esperanças; falam as visões do seu coração, não o que vem da boca do Senhor” (versículo 16). Jeremias havia profetizado da dureza do castigo divino, e os falsos mestres negavam seus ensinamentos, dizendo que Deus não ia castigar assim (veja um exemplo disso na desavença entre Jeremias e Hananias no capítulo 28). Hoje, há muitos pastores que vendem falsas esperanças. Vamos considerar apenas dois exemplos:

 

1 - Minimizar ou negar a gravidade de pecados que Deus condena. Justificam práticas claramente condenadas nas Escrituras, dando aos praticantes falsas esperanças da salvação. Deste modo, alguns justificam relações homossexuais e realizam casamentos de gays, outros apoiam a fornicação de casais que vivem amasiados. Muitos inventam argumentos para passar por cima das instruções de Jesus sobre o casamento, divórcio e segundo casamento (Hebreus 13:4; Lucas 16:18; Mateus 19:9; etc.), aceitando e até incentivando casamentos adúlteros. Enchem as pessoas de falsas esperanças, pois muitas pessoas que continuam nestas práticas condenadas acreditam que estão caminhando acertadamente. Foram enganadas e ensinadas que I Coríntios 6:9-10 (pessoas que praticam tais coisas não herdarão o reino de Deus) não se aplica a elas!

 

2 - Negar as condições dadas por Deus para a nossa salvação. Muitos pastores pregam a salvação barata, usando o raciocínio humano para negar os mandamentos de Deus. É incrivelmente repugnante, ver até que extremo certos pastores chegam hoje para anular simples instruções de Deus sobre o arrependimento e o batismo para remissão dos pecados (Marcos 16:16; Atos 2:38; 22:16; etc.). Como os falsos profetas 600 anos antes de Cristo, estes mestres enganadores vão correndo para falar, mas não falam a Palavra de Deus (versículo 21). O Senhor disse na época de Jeremias: “Mas, se tivessem estado no meu conselho, então, teriam feito ouvir as minhas palavras ao meu povo e o teriam feito voltar do seu mau caminho e da maldade das suas ações” (versículo 22).

 

Os sonhos e as visões (Jeremias 23:23-32)

 

Jeremias enfrentou outro problema que ainda perturba as pessoas que buscam o Senhor hoje. Falsos profetas usavam seus próprios sonhos como se fossem revelações divinas, enganando as pessoas ingênuas. Deus disse: “Tenho ouvido o que dizem aqueles profetas, proclamando mentiras em meu nome, dizendo: Sonhei, sonhei. Até quando sucederá isso no coração dos profetas que proclamam mentiras, que proclamam só o engano do próprio coração? Os quais cuidam em fazer que o meu povo se esqueça do meu nome pelos seus sonhos que cada um conta ao seu companheiro....Portanto, sou contra esses profetas, diz o Senhor, que furtam as minhas palavras..., que pregam a sua própria palavra e afirmam: Ele disse! Eis que eu sou contra os que profetizam sonhos mentirosos, diz o Senhor, e os contam, e com as suas mentiras e leviandades fazem errar o meu povo; pois eu não os enviei, nem lhes dei ordem, e também proveito nenhum trouxeram a este povo, diz o Senhor” ( versículos 25-32).

 

Não é a mesma coisa que acontece hoje? Supostos profetas preferem falar o que vem do próprio coração, alegando ter sonhos e revelações de Deus, e não ensinam a verdade eterna que Deus revelou para todos na Bíblia. E muitos ouvintes dão mais importância às revelações particulares do que à mensagem das Escrituras. “A palavra do Senhor, porém, permanece eternamente” (I Pedro 1:25).

 

Como nos proteger dos falsos mestres?

 

Como podemos nos proteger dos pastores infiéis e dos falsos profetas? É essencial: Ouvir a palavra do Senhor (Jeremias 22:29; Atos 28:25-27);  Acolher o amor da verdade (II Tessalonicenses 2:10); Discernir entre o certo e o errado (I Tessalonicenses 5:21-22); e  Ser praticantes da Palavra (Tiago 1:21-25). Aqui neste mundo nunca estaremos completamente livres da presença infiltrada do joio e da operação do erro, mas adotando estas práticas sinceras diante de Deus, estaremos blindados pelo Espírito Santo de sua destruidora influência.

 

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!