Qual a explicação para a sensível diminuição das mensagens pregadas sobre humildade nos púlpitos de nossas igrejas nos dias de hoje e até mesmo em salas de aula nas escolas dominicais? Teria o tema perdido o seu valor Bíblico? Haveria alguma inconveniência em se ensinar o povo de Deus a ser humilde? Sendo o próprio Senhor JESUS o maior exemplo de humildade que vemos na Palavra de Deus, qual seria a explicação para o fato de Seu povo tão pouco abordar essa questão?

 

Para chegar a uma boa resposta, comecemos pela definição da palavra: Humildade: vem do Latim humus que significa “filhos da terra”. Refere-se à qualidade daqueles que não tentam se projetar sobre as outras pessoas, nem mostrar ser superior a elas. A Humildade é a virtude que dá o sentimento exato da nossa fraqueza, modéstia, respeito, pobreza reverência e submissão.

A palavra Humildade aparece na Bíblia 18 vezes e a palavra Humilhar, ou humilhar-se. aparece 29 vezes, o que mostra sua profunda relevância para nossas vidas e para o contexto de nosso discipulado cristão.

 

Alguns exemplos bíblicos também são importantes para que compreendamos o valor da humildade.

 

O apostolo Paulo mesmo encarcerado, possuindo uma pena na mão e movido pelo Espírito Santo, afirmou: Rogo-vos, pois, eu, o preso do Senhor, que andeis como é digno da vocação com que fostes chamados, com toda Humildade, ….

 

Está bem claro no texto de Paulo à igreja de Éfeso, que quem não é humilde, verdadeiramente não é digno de ser chamado filho de Deus, porque esta é a vocação característica de alma com que fomos chamados pelo pai - para sermos humildes filhos de Deus. O texto é ainda mais abrangente, porque ele estava falando para toda a igreja em seu sentido global e atemporal. Falando, inclusive, para todos nós.

 

Muitos cristãos às vezes se perguntam porque não conseguem chegar ao topo de uma vida plena nas áreas pessoal, familiar, profissional, social e principalmente ministerial. Obviamente é uma pergunta complexa para se responder de modo pragmático, porém podemos afirmar objetivamente que a falta de humildade atrapalha diretamente na obtenção de todas as bênçãos oriundas de Deus, conquistadas na cruz do calvário pelo humilde carpinteiro de Belém - O Senhor Jesus.

 

Está escrito em Tiago 4:6

 

"Antes, ele dá maior graça. Portanto diz: Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes."

 

Baseado neste texto e aludindo que a soberba é exatamente o contrario da humildade, cabe-nos uma pergunta:

 

Do que mais necessitamos? Da graça ou da resistência de Deus? A resposta está no nível de humildade que temos, que praticamos e que vivenciamos aqui na terra diante dos ímpios e de nossos irmãos também. Ser humilde para ser abençoado ou ser arrogante para obter a resistência do Alto - é uma decisão que compete individualmente a cada consciência.

 

O evangelho tem sido alvo de constantes mutações. Adaptações para o agrado do homem são cada vez mais comuns e a jactância assumiu máscaras nesse novo projeto de cristianismo, que exalta o homem em vez do Criador.

 

Seguindo esse enredo temos observado ensinos diabólicos e heréticos ganhando cada vez mais força. Mensagens que objetivam claramente aguçar a ganância, o materialismo, o enriquecimento e o amor ao dinheiro. Tudo sob o sofisma da fé.

 

Todavia a fé que nos aproxima de Deus e nos assemelha a Cristo não é aquela que se caracteriza pela prosperidade financeira, pois essa perigosa e pode vir a se tornar a raiz de todos os males.

 

A fé que nos aproxima de Deus e nos assemelha a Cristo é aquela que nos torna mais humildes dia a dia, de glória em glória, para que a honra e louvor sejam dados ao seu devido merecedor, que é Deus!

 

Cada vez mais parecidos com Cristo, cada dia mais humildes - que assim o Senhor nos torne, em Nome de Jesus!