Respondendo perguntas enviadas por ateus

25/01/2014 14:03

 

 

 

Queridos irmãos e amigos, são muitas as mensagens que nos são enviadas por pessoas que se indentificam como ateus ou agnósticos, os quais adotam uma postura de confronto e discordância em relação a todas as premissas primordiais da nossa fé. Essa seção existe para atendê-los. Obviamente nosso propósito não é mudar a mente e o coração de ninguém (sequer temos esse poder), mas contribuir para a atuação do Espírito Santo de Deus, levando luz a essas almas que muito amamos e que ardentemente desejamos que, qual nós, estejam também um dia aos pés de Cristo. Seguem três perguntas devidamente respondidas e oramos para que sejam benção na vida de todos!

 

Herberth Cícero – Por Alegre (RS)

 

Meu caro Pr. Reinaldo, eu adoraria saber como vocês cristãos podem se sair da seguinte questão. Sua teologia afirma que Deus existe e que Ele é o criador de todas as coisas. Ora, se tudo que existe tem uma causa anterior, então já que Deus existe, qual seria a causa anterior a Ele? Se o Universo tem uma causa, então Deus também deve ter uma causa, afinal tudo o que existe tem uma causa. Ou seja, quem criou Deus?

 

Resposta

 

Querido Herberth obrigado por sua pergunta. A questão não é tão embaraçosa como você presume e se você se concentrar em minha resposta terá o esclarecimento que solicita.


 Primeiro é importante ressaltar que do nada, nada se cria, pois o nada não existe. Em segundo lugar tudo o que passa a existir têm uma causa. O Universo tem uma causa, não pode simplesmente ter acontecido do nada e, por fim, esta causa tem que ser não causada, atemporal, aespacial, imaterial, poderosa e pessoal.  Logo, podemos concluir de longe que a explicação mais plausível para a origem do Universo é Deus.

 

O erro fácil de ser cometido assim como é fácil de ser encontrado. Basta reler o argumento. A questão se refere à segunda premissa do argumento. A premissa diz que "tudo o que passa a existir tem uma causa", ou seja, tudo o que começa a existir tem uma causa, ou ainda, tudo o que um dia vem a existir tem uma causa.

 

A confusão é feita exatamente nessa premissa. O neo ateu se engana pensando que a premissa diz que "tudo o que existe tem uma causa" quando, na verdade, ela diz que "tudo o que passa a existir tem uma causa". Dessa maneira fica muito mais fácil de responder à pergunta inicial.

 

Deus é o que chamamos de "causa incausada", no caso do Argumento Cosmológico. Deus é eterno, então não pode ter um início, Ele sempre existiu, sempre esteve lá. Não há sentido lógico algum em questionar a causa de algo que sempre existiu. Na Bíblia encontramos a seguinte passagem no Evangelho segundo São João: "No começo a Palavra já existia: a Palavra estava voltada para Deus, e a Palavra era Deus" (Jo 1,1).

 

É comum os ateus não aceitarem nenhum tipo de resposta aos seus argumentos, mas espero que essa explanação tenha servido pelo menos para desfazer sua ideia de que o povo de Deus sustenta sua fé sem uma lógica racional. Que Jesus te abençoe!

 

Telio Alfenas – Palmas (TO)

 

Engraçado ouvir vocês cristãos falarem que Deus existe e que deu livre arbítrio para todos. Se é assim, então porque ele deixou um livro de 2.000 páginas para serem seguidas, senão vocês irão para o inferno? Que livre arbítrio é esse?

 

Resposta

 

Meu amigo Telio, obrigado por sua mensagem e pergunta. Vamos á resposta.

O livro a que você se refere é a Bíblia. Entretanto, faltou um pouco de atenção por parte do amigo, pois a Bíblia não é um livro, mas um conjunto de livros. A Bíblia não surgiu pronta assim como a temos hoje. Inicialmente ela era transmitida oralmente, quando ainda não havia a escrita. Cada livro foi escrito em uma época diferente, num contexto social, político e religioso diferente, depois ela foi compilada, organizada em capítulos e versículos, traduzida e disseminada. Isso hoje dá a oportunidade de qualquer pessoa ter uma Bíblia em sua casa. Feito esse primeiro esclarecimento, vamos ao que importa.

Um aspecto falho desse argumento é o fato de que a existência da Bíblia não contradiz em ponto nenhum o livre arbítrio, da mesma maneira que as Leis não tiram a sua liberdade de cidadão. Deus nos deu o livre arbítrio e a Bíblia, porém um não anula e nem contradiz o outro. Fazendo uma analogia simples: "Você tem a liberdade como cidadão, mas também tem milhares de Leis pra você seguir se não quiser ir para a cadeia." É exatamente esse o raciocínio que se deve aplicar à questão que você levantou.

 

 

Realmente, Deus nos deu a Bíblia para que sigamos suas diretrizes, mas a liberdade é sua de seguir ou não o que ela orienta. Aliás, esse é um ponto a ser ressaltado: a prática religiosa não obriga, mas aconselha. A Bíblia não obriga, mas aconselha o que vale a pena ou não e ainda explica o por que. No entanto, a palavra final será sempre nossa em aceitar o aconselhamento ou dispensá-lo.

 

O inferno também é resultado de uma decisão pessoal. Somos nós que decidimos se queremos ir para lá ou não. É inválido e injusto atribuir a responsabilidade de nossas escolhas a Deus. Somos nós que fazemos nossas escolhas e também somos nós que devemos arcar com as responsabilidades e as consequências decorrentes.

 

E é para isso que existe a Bíblia, que é a orientação de Deus para termos uma vida melhor. Para que possamos aprender a fazer sempre as melhores escolhas, nos direcionando sempre para um caminho de vida. Cabe a nós optar por segui-la ou não, afinal somos livres para escolher isso também. Que Deus o abençoe!

 

Prof. Onésimo Arouche – Oklahoma (EUA)

 

Prezado pastor sua inteligência é notável, mas seus argumentos não invalidam os fatos históricos. O cristianismo é uma religião e como toda religião, o seu objetivo é político e imperialista. Nem mesmo os criadores acreditam no que pregam. Seu objetivo é obter vantagens e exercer domínio sobre as mentes fracas. A Religião foi feita somente para ser um instrumento de dominação social e todo sangue que já se derramou em nome de Deus, e ainda se derrama, prova o que digo.

 

Resposta

 

Obrigado por suas considerações querido professor, mas, por favor, me permita discordar de sua argumentação, apenas no que tange á fé em Cristo, basicamente por se tratar de uma tentativa de invalidar uma crença a partir de como se chegou a acreditar nela, e acerca disso eu me explico.

 

São vários os erros contidos nessa argumentação, quando a aplicamos à fé cristã.

 

O primeiro erro está em ignorar um fato histórico. Se o objetivo dos primeiros líderes cristãos era dominar o povo e se aproveitar de sua boa fé, sinto dizer, mas eles eram bem ruins nisso, pois fizeram exatamente o oposto. Citando Jesus CristoPaulo de Tarso e Simão Pedro, os primeiros principais líderes do cristianismo, todos eles morreram de forma trágica. Jesus foi cruelmente crucificado (todos sabem bem), Paulo foi decapitado e Pedro foi crucificado, de cabeça para baixo. Acredito que ninguém seria capaz de morrer por uma mentira que tenha inventado. Paulo e Pedro não iriam morrem à toa, por uma mentira, e é muito difícil se provar o contrário. Vale ressaltar também, que se Paulo quisesse ser um Líder, bastava continuar como judeu. Pois Paulo tinha boa posição no judaísmo e teria sem dúvidas, em termos de poder político, um poder maior do que teve como cristão.

 

Você menciona o que parece ser uma crítica ao totalitarismo e atrocidades praticadas em nome da fé. Obviamente não posso negar que até mesmo a maldade mais atroz já se praticou em nome da fé religiosa, mas a tentativa de anular uma crença apontando suas consequências desagradáveis é algo profundamente infundado e retira do homem, como ser histórico e livre, a culpa e responsabilidade por seus atos.

 

E ainda posso citar outras controvérsias presentes nesse argumento. Por exemplo, os EUA é um país com maioria religiosa e é um país onde não se pode dizer que há um "controle de massas". A Itália é um país com maioria esmagadora de Católicos, e duvido que alguém diga que é um país onde há dominação social. Em contrapartida vemos países como China, Coréia do Norte, Cuba e Venezuela que controlam jornais, TV, internet e mantém forte repressão sobre o povo. Proíbem inclusive a manifestação religiosa, são nações declaradamente ateias. E dentre estes quem é o povo reprimido e controlado?!

 

Descartando a atuação dos lunáticos, o protagonismo dos impostores da fé e a famigerada proliferação dos comerciantes de Cristo (os quais a Cristo nunca conheceram de fato), basta um pouco de estudo filosófico e histórico para compreender que esse argumento é incapaz de invalidar a crença cristã.

 

 

"Antes santificai em vossos corações a Cristo como Senhor;

e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor

a todo aquele que vos pedir a razão da esperança que há em vós"

(I Pedro 3:15)

 

 

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!